quinta-feira, junho 26, 2008

Diáspora, Pinheiros e Subúrbios

Ainda numa senda de saudável patriotismo, os últimos cartuchos pelo menos até a Pequim - onde quererei ver a nossa Vanessa Fernandes a sagrar-se campeã olímpica de triatlo e no primeiro lugar do pódio, ao som da "Portuguesa" -, não posso deixar de relatar a conversa que tive aqui há dias com a rapariga que todos os dias me costuma atender no café-cervejaria-quasi-taberna, em frente a minha casa.
Ao principiar, como sempre, pelo estado do tempo - pelo calor que agora, segundo se diz, não se aguenta, pela chuva que já não se suportava e pela mudança das estações que agora torna qualquer barómetro um instrumento estúpido e idiota de tanto andar à roda -, a conversa seguiu para o balanço que se impunha fazer sobre o sucesso da "Feira das Tradições e Actividades Económicas" deste ano e que, lá está, acabou anteontem.
Nesse registo, perguntei, porque pouco preocupado com o palmarés dos espectáculos anunciados(no Sábado, passei pelos Da Weasel sem prestar qualquer atenção e no Domingo falhei o Quim Barreiros, tendo estado na Sexta a jantar tardiamente, sem ver o grande Emanuel), perguntei, dizia, quem eram os artistas abrilhantadores do dia de final apoteótico de tal festa.
E digo apoteótico, porque até a Pirotécnica Oleirense - já campeã mundial em competições de fogos de artifício - tinha sido contratada para um grandioso espectáculo de luz, som e muitos foguetes.
A resposta da moça lá me confirmou a leve impressão com que eu tinha ficado ao passar por alguns dos cartazes espalhados pela Vila - os Irmãos Verdades (ou Verdade? - não sei e também não "googlei") estavam aí para espalhar os seus ritmos de Kizomba, por toda a zona do Pinhal, agora queimado, mas mesmo assim sob apertada vigilância do Corpo dos Bombeiros Voluntários local.
É que não fosse a Pirotécnica Oleirense ficar, vítima de algum infortúnio em forma de cana de foguete incandescente, sem a concessão excepcional por que deve ter lutado, de acordo com as disposições legais, para continuar a fazer o que sempre fez: pôr umas quantas centenas do bom povo de cabeça para o ar, esquecendo-se das agruras de um ano frio, cinzento e pardo.
Mas adiante. A rapariga soube logo tecer grandes elogios a essa dança, sabendo mesmo o nome do tema mais badalado e digno de top, o tal de "Yolanda". De resto, disse-me que tal género de dança não seria para todos os gostos, mas que, de todo o modo, era diferente das nossas.
Para não parecer muito inculto, até porque tenho em quem me é próximo um verdadeiro conhecedor (em crioulo, diz-se "pulo"), comecei a generalizar:
"Sim, de facto, o povo africano, nomeadamente os Cabo-Verdianos são bastante expressivos e bem ritmados. Já me contaram que há discotecas africanas em Lisboa que, em regime diurno, são escolas de danças africanas. Como sabe, há o Funáná, a Kizomba, o Kuduro... Essas coisas, não é? Não que façam muito o meu género". Porque realmente não fazem. Sou um "pé muito pesado" e já me basta detestar danças de salão.
Abanando a cabeça numa cordial concordância, quiçá mesmo um pouco a leste deste meu jeito perifrástico de expor inócuos e diplomáticos pontos de vista, quando não quero "dar muito nas vistas", porque desinteressado ou sem grande afinidade com os temas a tratar, disse-me:
"Sim, sim... E olhe, mesmo o meu marido gosta e dançamos muito. Prontos... É que sabe, ele também cresceu num meio propício a tais coisas, não é?"
"Cresceu em África, certamente, não foi?" - perguntei eu, no mesmo agravo que tal proposição da senhora tinha imprimido ao saber empírico de quem vive a experiência de uma vida e a sente, como deve ser.
Contudo, a resposta não poderia ter sido mais espontânea e mesmo assim insólita:
"Não, não. Ele é da Amadora" - respondeu-me ela.
Com um sorriso amarelo, apenas disse:
"Ah, pois...".
Realmente, por momentos, tinha-me esquecido que até mesmo os Irmãos Verdades gravam nalgum estúdio em Paço de Arcos ou assim.
Contudo, o melhor deste pequeno episódio, longe de qualquer ironia, sarcasmo espúrio, ou até mesmo snobismo, apenas me faz voltar ao título deste "post".
A Diáspora de quem se espalhou pelos quatro cantos do mundo e ao mundo deu outros quatro novos cantos, criou um tesouro cultural que foi e será sempre a nossa maior potencialidade.
A empatia que ainda hoje se vai sentindo, seja na sede de livros, pintura ou, lá está, de ritmos e música, faz com que, até, neste Pinhal Beirão, a Praia Fluvial se transforme nalgum areal, ali à beira do Atlântico e um pouco acima do Equador.
E já dizia o Saudoso Jorge Perestrelo: "Isto é do que o meu Povo gosta!" Seja onde for!
Apenas uma última pergunta: Acaso não seremos mais do que Portugal, Portugália?

1 comentário:

Mariana disse...

Realmente, das melhores coisas que Portugal tem é esta mixórdia de culturas que nos relembra de um passado relativamente grandioso e dá esperanças para um futuro mais brilhante.

Apesar de não gostar de kizomba e achar que a Amadora (e demais periferia de Lisboa) é um dos piores sítios para morar - gosto muito da minha província -, não posso negar que ambos são reflexo da nossa multiculturalidade. Espero é que, como sociedade livre e esclarecida, consigamos ser tolerantes e abertos o suficiente para abraçarmos o que o diferente tem de bom.